MTur e IFB promovem oficina para impulsionar turismo gastronômico no Brasil

Encontro online vai discutir desafios e oportunidades para o setor. A abertura do encontro pode ser acompanhada ao vivo pelo YouTube

Apartir da próxima segunda-feira (24.05) especialistas em turismo e gastronomia de todo o país se reúnem para discutir desafios e oportunidades para fortalecer e impulsionar o turismo gastronômico brasileiro. De forma inédita, a programação contará com experiências inspiradoras no Brasil e em Portugal que devem contribuir para o aperfeiçoamento do Programa Nacional de Turismo Gastronômico. A iniciativa é do Ministério do Turismo em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB).

O encontro online ocorrerá entre os dias 24 e 28 de maio. A abertura da oficina “Desafios e Oportunidades para o Turismo Gastronômico no Brasil” poderá ser acompanhada pelo público em geral por meio do canal no YouTube da TV IFB, de forma gratuita. Para acompanhar a transmissão na próxima segunda-feira, entre 09h30 e 11h, clique AQUI.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o turismo gastronômico tem cada vez mais motivado viagens e atraído a atenção de países ao redor do mundo, que procuram se posicionar como destinos gastronômicos. Dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), apontam que a gastronomia é o terceiro maior impulsionador de viagens no mundo.

“Aqui no Brasil não podemos nos furtar a oportunidade de direcionar estratégias para o desenvolvimento e promoção do turismo gastronômico e, ao mesmo tempo, destacar as identidades regionais e promover o desenvolvimento econômico e o patrimônio local dos nossos destinos. Somos um país com sabores e temperos únicos. Temos um potencial enorme para nos destacar no cenário mundial e é para isso que temos trabalhado, unindo esforços com outros atores e elaborando projetos que consigam transformar todo esse potencial em realidade”, afirma Gilson Machado Neto.

No Brasil, a gastronomia movimenta cerca de R$ 250 bilhões por ano, segundo cálculos da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). E é um dos itens mais bem avaliados por estrangeiros em visita ao Brasil; 8 em cada 10 turistas internacionais aprovaram a gastronomia brasileira em 2019, segundo estudo realizado pelo Ministério do Turismo com visitantes internacionais (Demanda Turística Internacional). Este fato, por si só, já demonstra o potencial do Brasil para atração de mais estrangeiros no cenário pós-pandemia.

O secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do Ministério do Turismo, William França, aponta que a oficina deve subsidiar tecnicamente o avanço deste segmento no país e orientar políticas públicas ao elencar oportunidades e estratégias de promoção de destinos gastronômicos.

“Queremos auxiliar o segmento com pesquisas, dados e diagnóstico dos produtos gastronômicos ofertados pelo Brasil em cada uma de suas cinco macrorregiões. E, ainda, reunir as principais tendências, definir orientações quanto ao desenvolvimento do turismo gastronômico e promover a capacitação para gestores de turismo. E desta forma, posicionar o Brasil como destino gastronômico internacional”, conta William França.

TURISMO GASTRONÔMICO – A realização da oficina é fruto de um acordo celebrado em 2020 pelo Ministério do Turismo e IFB para o desenvolvimento do projeto “Prospectivas para o Turismo Gastronômico no Brasil”, no âmbito do Programa Nacional de Turismo Gastronômico. Portanto, é uma das primeiras etapas do projeto, cujo objetivo é fomentar a pesquisa em turismo gastronômico para produção de conhecimento, identificação de tendências e sistematização de informações.

A parceria também busca analisar o panorama atual do turismo gastronômico no Brasil, identificar prioridades e definir diretrizes para o Plano de Ação do Programa Nacional de Turismo Gastronômico. E, com isso, estruturar e promover o segmento no Brasil, valorizando a vocação do país como destino de excelência em gastronomia.

A coordenadora do projeto pelo IFB, a professora Ana Paula Jacques, destaca o potencial do Brasil no segmento. “Estamos cientes do potencial existente em nosso país e dos anseios da cadeia produtiva da gastronomia e do trade turístico em geral e, por essa razão, queremos formar uma rede de colaboração contínua ao longo do projeto”, conta a coordenadora.

PROGRAMAÇÃO – A abertura oficial da oficina ocorre na segunda-feira (24.05), às 09h30, com transmissão pela TV IFB no YouTube. Na ocasião, foram convidados o chef Paulo Machado, idealizador do projeto Brasil Food Safaris, e o português Nuno Nobre, criador e curador de uma série de projetos gastronômicos.

Em sua participação, Nuno Nobre abordará os ecossistemas portugueses a partir de projetos e festivais gastronômicos. “Vou falar sobre experiências inspiradoras de turismo em gastronomia aqui de Portugal. Espero por todos”, convida. Entre os projetos idealizados ou que contaram com a curadoria de Nuno Nobre estão Go Foodies, Festival Internacional Ouriço-do-Mar e À Mesa com as Aldeias do Xisto. Ele também é diretor da Pós-Graduação em Turismo Gastronômico e da Pós-Graduação em Cozinha Avançada da Universidade Lusófona de Lisboa, em Portugal.

Já o brasileiro Paulo Machado irá compartilhar o case do “Brasil Food Safaris”, projeto vencedor da categoria Melhor Atração do Patrimônio Cultural no WTM Latin America 2021. “Vou compartilhar com vocês a experiência do Brasil Food Safaris, que é um projeto que promove expedições gastronômicas pelo país e exterior, que acabou de ganhar a medalha de ouro no WTM Latin America”, conta Paulo Machado. O chef brasileiro é mestre em hospitalidade, pesquisador e chef-proprietário do Instituto de Pesquisas em Alimentação Paulo Machado, além de autor do livro “Cozinhando Pantaneira, Comitiva de Sabores”.

A oficina, que segue até 28 de maio, reunirá ainda representantes da sociedade civil, setor público e privado, especialistas regionais e nacionais. Participam também chefs de cozinha, curadores de eventos e festivais gastronômicos, organismos multilaterais e de cooperação, personalidades da gastronomia, dentre outros. Para saber mais clique AQUI.

CIDADES CRIATIVAS – No Brasil, quatro cidades já ostentam o título de cidades criativas no segmento gastronomia: Belo Horizonte, Florianópolis, Belém e Paraty. A rede mundial de cidades criativas da Unesco foi criada em 2004 com o objetivo de promover a cooperação, inclusive internacional, entre as cidades que têm a criatividade como estratégia para alcance dos objetivos sustentáveis da ONU.  São sete categorias: artesanato e artes folclóricas, design, cinema, gastronomia, literatura, artes midiáticas e música.

Ministério do Turismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar